Saúde Escolar

26.10.2021

10 dicas para o uso seguro da internet pelas crianças

Compartilhe esta notícia:   
10 dicas para o uso seguro da internet pelas crianças

O uso cada vez mais frequente e precoce das redes sociais por crianças tem gerando grandes preocupações para as famílias. Não por acaso, um relatório divulgado neste ano pela Thorn, organização americana sem fins lucrativos que desenvolve tecnologias para defender crianças de abuso sexual, identificou falhas preocupantes em plataformas como Facebook, YouTube, TikTok e Snapchat para manter as crianças seguras.

O relatório da Thorn também identificou que as crianças estão usando grandes plataformas de redes sociais muito antes de completarem 13 anos: 45% das crianças de nove a 12 anos dizem usar o Facebook diariamente; 40% usam Instagram; 40% usam o Snapchat; 41% usam TikTok; e 78% usam o YouTube.

Diante desse cenário, a médica do Departamento de Saúde Escolar do Colégio Bom Jesus, Nicole Klas, alerta que existem relatos de que criminosos praticam crimes contra crianças e adolescentes por meio das redes sociais. “Eles esperam algum deslize desses usuários para obter seus endereços, chantageá-los e conseguir, por exemplo, fotos íntimas, que podem até ser comercializadas”, afirma a médica. Segundo ela, é importante que os familiares tenham conhecimento e alertem as crianças e os adolescentes a respeito desses riscos no ambiente virtual e os orientem em relação aos comportamentos seguros na internet.

Para auxiliar os pais a ficarem mais atentos ao uso das redes por parte das crianças e dos adolescentes, o Colégio Bom Jesus preparou algumas orientações e dicas de segurança.

No entanto, uma regra é fundamental: o uso excessivo da internet deve ser evitado, pois ela é prejudicial quando substitui todas as outras atividades de lazer, como brincar com brinquedos, ler, praticar esportes, passear, passar tempo com a família.

Confira 10 dicas para o uso seguro da internet pelas crianças:

1- Oriente seu filho para que não divulgue dados pessoais na internet (endereço, telefone, nome completo, escola, entre outros), pois pessoas desconhecidas ou mal-intencionadas podem usar essas informações de má-fé.

2- Fique atento se seu filho ganhar presentes ou lanches que são entregues em casa. Isso pode ser uma forma de criminosos conseguirem o endereço residencial para depois chantageá-lo.

3- Alerte seu filho para que não divulgue fotos que facilitem a identificação do endereço da sua casa ou da sua escola.

4- Oriente as crianças e os adolescentes para que não postem nas redes detalhes de horários e lugares que frequentam.

5- Recomende que não aceitem convites de encontros presenciais com quem não conhecem.

6- Oriente-os para que não repassem as senhas de suas redes para ninguém e, se possível, que as troquem periodicamente.

7- Saliente que apagar um conteúdo nas redes não é suficiente: se algum conteúdo for publicado e apagado, mesmo assim ele pode ter sido gravado por pessoas mal-intencionadas que podem reutilizá-lo. 

8- Se seu filho for agredido na internet (cyberbullying), oriente-o a não revidar. O ideal é fazer uma captura da tela (print) da postagem e guardar em local seguro como prova, no caso de uma ação judicial. Nunca repasse ou compartilhe a mensagem.

9- Caso haja agressão, o ideal é procurar uma delegacia de polícia ou o Conselho Tutelar. Importante lembrar que a internet não é “terra sem lei”. Apesar da sensação de anonimato, quem praticar crime por meio dela pode ser identificado e punido (pais e filhos podem ser responsabilizados).

10- Reforce que o respeito deve prevalecer em qualquer espaço (incluindo a internet) e com qualquer pessoa.

 

AGENDE UMA VISITA