Feras, Proposta Pedagógica

29.08.2022

Sete dicas para planejar melhor os estudos para o Enem

Compartilhe esta notícia:   
Sete dicas para planejar melhor os estudos para o Enem

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) será em novembro. Neste período que antecede as provas é comum que os jovens fiquem inseguros e até se desorganizem com os estudos. Mas será que existem formas de estabelecer uma rotina focada em resultados, mas ao mesmo tempo que traga um pouco mais de tranquilidade nesses momentos de tensão? Planejar bem os seus dias pode ser uma boa saída. 

Os professores do ensino médio do Colégio Bom Jesus prepararam algumas dicas para auxiliar nessa difícil tarefa. 

Dica 1 – Definir o que quer estudar na faculdade e qual profissão vai seguir

Não é incomum ouvir as pessoas falarem que é difícil fazer a escolha profissional aos 17 anos. “Concordo que é difícil, uma vez que não existe ainda uma maturidade cognitiva no adolescente comparado ao adulto”, comenta o professor de Formação Humana do Colégio Bom Jesus, Cornélio Schwambach. Assim, ele diz que o estudante deve compreender que cada indivíduo é único, tem uma história percorrida e precisa fazer escolhas no decorrer de sua vida, tendo consciência de que as batalhas nem sempre são fáceis. Depois, o professor aconselha que se deve buscar informações fidedignas, das mais diversas fontes, para entender um pouco mais sobre a área, a profissão a ser escolhida. Por fim, segundo Cornélio, o aluno deve buscar a identificação com essa área que escolher. “E se a dúvida persistir, penso que é importante buscar orientação profissional”, afirma Cornélio.  

Dica 2 – Refletir sobre a motivação para fazer o Enem e vestibulares

O professor Cornélio cita que há várias formas de planejamento de estudos. Assim, para escolher o mais adequado, é recomendável que o estudante avalie bem o que deseja. E uma das dicas é se perguntar: “qual a minha motivação para fazer o Enem?” “Não existe receita pronta. Nessas três décadas acompanhando alunos que querem entrar em uma universidade, vi muitas mudanças, mas a essência de que é preciso estudar e para isso eu preciso de uma motivação, que é algo intrínseco ao aluno, isso não mudou”, comenta. 

Dica 3 – Não basta assistir às aulas. É preciso estudar em casa

O professor de Química e assessor do Ensino Médio do Colégio Bom Jesus, Antônio Marangon, afirma que é recomendável ter uma rotina de algumas horas de estudo, mas sempre observando a saúde, que deve estar em dia. No entanto, escolher o melhor horário é algo muito pessoal, na opinião do professor Cornélio, pois isso vai depender da rotina de cada pessoa. Então, ele orienta que é importante o estudante organizar sua agenda para não se perder em meio a tantas atividades. E a família e a escola podem auxiliar. “O professor não precisa determinar o melhor horário para o aluno. Isso é impositivo. Penso que a escola e a família precisam deixar canais de comunicação abertos para facilitar, mediar esse momento, que para o adolescente é muitas vezes tenso e complicado”, diz o professor Cornélio. 
 
Dica 4 – Escolher uma ferramenta de planejamento de estudos

Há muitas ferramentas disponíveis para auxiliar o planejamento dos estudos, como aplicativos de agenda, por exemplo. “A agenda é útil sem dúvida, mas é necessário ficar atento aos recursos tecnológicos que muitas vezes fazem o adolescente perder o foco nos estudos. Somos seres biopsicossociais e precisamos cuidar de todas essas áreas”, diz o professor Cornélio.
 
Dica 5 – Investir naquilo que se considera bom! 

O professor Cornélio dá uma dica: o aluno deve investir mais naquilo que se considera bom, para se tornar ainda melhor. Já nos assuntos em que sente dificuldades, é mais interessante procurar entender o básico. “Alguns alunos se adaptam estudando a matéria do dia, outros gostam de estudar por blocos de matérias. Há ainda aqueles que não estudam, que acreditam que só assistir às aulas é suficiente, tudo depende do objetivo. Ele deve estar ciente de que colherá o que investiu e, se não investiu, também não vai colher”, observa o professor Cornélio.
 
Dica 6 – Anotar os dias e os conteúdos que estudou

Uma boa técnica para se acostumar com a rotina de estudos é anotar ao longo de duas ou três semanas todos os horários em que você estudou no dia e quais conteúdos, assim, aconselha o professor Marangon, é mais fácil conseguir verificar na prática o que fez. “Lembrar que o momento de estudo é de concentração total, afastando-se de coisas que podem lhe chamar a atenção e distrair, como um celular por perto, por exemplo. Montar uma rotina é fundamental, colocar horários para tudo pode parecer limitante, mas ajuda na organização do seu dia e de tudo que você precisa fazer”, observa.

Dica 7 – Manter uma rotina saudável: praticar atividades físicas, cultivar boas amizades e se relacionar bem com a família

Não basta estudar. Deixar de lado outras atividades que trazem relaxamento pode até ser prejudicial. Por isso, fazer atividades físicas, manter encontros com os amigos e dialogar com a família – sem exageros – são atos fundamentais para que o candidato mantenha sua saúde mental e, assim, fique mais tranquilo para a realização das provas.